katrupismo

Kastrupismo | Guilherme Kastrup

Lançado em setembro de 2013 e distribuído pelo selo Núcleo Contemporâneo, Kastrupismo, o primeiro trabalho autoral do baterista, percussionista e produtor, Guilherme Kastrup, é um disco “instrumental com pegada de canção, experimental mas saborosamente pop; música para ouvidos livres”, na perfeita definição de Arnaldo Antunes.

Descrição do produto

Lançado em setembro de 2013 e distribuído pelo selo Núcleo Contemporâneo, Kastrupismo, o primeiro trabalho autoral do baterista, percussionista e produtor, Guilherme Kastrup, é um disco “instrumental com pegada de canção, experimental mas saborosamente pop; música para ouvidos livres”, na perfeita definição de Arnaldo Antunes.

Kastrupismo revela, enfim, as muitas facetas de Kastrup: o percussionista visceral, o pesquisador de novos e tradicionais ritmos brasileiros, o produtor que organiza e lapida rascunhos, o compositor de texturas sonoras oníricas e o músico generoso e articulador de encontros que proporcionou as excelentes participações de Benjamim Taubkin , Edgard Scandurra, Kiko Dinucci , Ricardo Herz e Zé Pitoco entre outros.

O nome do álbum refere-se à maneira única e original de Kastrup fazer música. O Kastrupismo é uma brincadeira de cortar e colar que faz parte da vida do músico desde que adquiriu seu primeiro programa de gravação digital e o primeiro sampler. Como ponto de partida, um método de criação, denominado por ele de “reciclagem de áudios” – aproveitamento, manipulação e colagens de sons e ideias. Algumas composições do disco partiram de percussões gravadas para uma canção que, isoladas do contexto, tinham força própria. Outras, surgiram de poemas concretos, trechos de músicas e até de uma entrevista do Cartola, em que as palavras viraram jogos de sons. “Eu tinha a base e então, os amigos músicos vieram improvisar, acrescentando novos elementos que completaram o discurso”, explica.

Segundo Arnaldo Antunes, “Kastrupismo flui organicamente, entre riffs e ruídos, assobios e sopros, cordas e tambores. A estética da colagem lhe dá um caráter original que, conjugado à musicalidade espontânea dos fraseados e batuques, consegue nos embalar e surpreender a cada compasso”.

Outras informações

Faixas
1- Vento Bom
2- Brisa Breve (vinheta)
3- Marcela, cheguei
4- O Corpo
5- Tá Maluco, Rapaz?
6- Texto
7- Perdidos
8- A Vida é Assim (vinheta)
9- OOHH
10- Frevano
11- Penhasco (vinheta)
12- No Fim

Participações
Benjamim Taubikin | Chico Correa | DJ Tudo | Edgard Escandurra | Gero Camilo | Gustavo Ruiz | Kiko Dinucci | Lu Lopes | Márcia Castro | Marcio Arantes | Paulo Tatit | Pedro Poli | Ricardo Herz | Rubi | Sacha Amback | Simone Julian | Suzana Salles | Tatá Fernandes | Thalma de Freitas | Thiago França | Zé Pitoco

Ficha Técnica
Produção e Gravação | Guilherme Kastrup (Estúdio Toca do Tatu)
Produção executiva | RE Productions
Piano | Paulo Lepetit ( Estúdio Outra Margem)
Mixagem | Ricardo Prado em parceria com Bruno Morais e Kastrup
(Estúdio Toca da Coruja)
Masterização | Homero Lotito (Estúdio Reference Máster)
Fotografias | Marcela Bourseau com exceção da capa: auto-retrato de Guilherme Kastrup
Design/Desenho | Gal Oppido
Desenvolvimento gráfico | Juily Manghirmalani e Iago Ferrão (Estúdio Gal Oppido